segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Tu traiu o movimento, véio

Ironicamente, o rock and roll, que surgiu como um estilo rebelde e contestador, se tornou com o passar dos anos um grande reduto de conservadores. Basta uma banda sair um pouco dos trilhos para que seus integrantes passem a ser com razão hostilizados e taxados de traidores pelos fãs. Vejamos alguns exemplos.

Rodolfo dos Raimundos

Se você acha que o funk produziu as letras mais ofensivas e de mau-gosto deste país, você não conhece os Raimundos. Não estou falando de “A mais pedida” ou de “Mulher de fases”, mas de coisas como “Esporrei na manivela” e “Pompem”. Durante a década de 90 esta banda - misturando de forma brilhante o rock pesado à sonoridade nordestina - proclamava aos quatro ventos impropérios que fariam a Mulher Melancia ruborizar.
A traição veio de onde e quando menos se esperava: do dia para a noite, Rodolfo, principal letrista, deixou os Raimundos no auge do sucesso e, como se o desgosto dos fãs ainda não fosse o bastante, montou uma banda evangélica, o Rodox. Parecia piada.

"O que foi que aconteceu? Eu quero é rock, menino! Isso não é rock não!"

Metallica

O maior expoente do trash thrash metal matou seus fãs de desgosto aos poucos. Os mais ortodoxos sentiram a primeira facada em 1988 com o lançamento de "...And justice for all". O álbum que carregava o fardo de fazer os fãs esquecerem Cliff Burton, apresentava uma ligeira queda de peso e velocidade. Mas o que quase causou uma síncope nos fãs foi o videoclipe que mostrava seus ídolos balançando a cabeça na MTV.
O segundo golpe foi dado dois anos mais tarde com o famigerado "Black album", o álbum que tirou a banda definitivamente do cenário underground com mais videoclipes e baladas. A partir de então, o Metallica começou a bater em seus fãs cada vez mais forte. "Load", "Reload" e a vexatória cruzada contra o Napster. E então, uma pausa. Parecia uma trégua. Mas após seis anos sem nenhuma vergonha material novo, quando o pior parecia ter passado, veio o golpe de misericórdia: “St. Anger”. Se algum fã original do Metallica ainda estava de pé, não resistiu a esta prova.

Kit utilizado por Lars Ulrich em St. Anger

Em 2008, todavia, "Death magnetic" foi lançado e, embora a capa sugerisse que estava por vir o enterro definitivo dos seguidores da banda, se mostrou um álbum redentor e retirou por ora os fãs do coma.

Caixão para os fãs?

Phill Collins

Este sujeito foi o responsável por dar um final patético e vexativo a uma das maiores bandas do rock progressivo, o Genesis. É considerado pelos fãs do estilo o Judas Iscariotes, o Joaquim Silvério dos Reis, o Brutus da música.

Judas do rock?

Por outro lado, há quem o exalte por ter atraçoiado um estilo que na própria genêse havia cometido uma traição. O rock progressivo, que possui suas bases no rock and roll, é considerado por muitos justamente a antítese do espiríto rocker, devido a pretensão e floreios de sua música.

Um comentário:

Christina disse...

(:
Eu adorava raimundos a um tempo atras...
OAISJDOIAJD
Beijos...
Teu blog tá MARA!